TEIXEIIRINHA, MEMÓRIA NACIONAL!

Minha sincera intenção nesta semana era de contar a todos o que acompanhei nos dias em que estive presente no Projeto Teixeirinha Memória Nacional, em Pelotas. Contudo, tenho de confessar que falar unicamente do projeto, sem descrever as emoções sentidas naqueles três dias, seria simplesmente impossível.
Foram momentos mágicos: pessoas de todas as idades e lugares, histórias de vida, a emoção estampada nas faces dos mais velhos e a surpresa da juventude, presente em peso ao evento. Nos três dias (25, 26 e 27 de maio) em que estive presente, presenciei cenas marcantes: um ginásio lotado durante a exibição de “Pobre João”, um show animadíssimo ao som de grandes sucessos de Teixeirinha (com direito à trova “Desafio pra valer”, que levou o público a relembrar os bons tempos de desafios), uma exposição onde cada um encontrava sua própria vida dentro da história de Teixeirinha… Tudo isso foi o Memória Nacional.
A receptividade da família Teixeira encantava a todos. Filhos e netos do cantor abraçando e conversando com os fãs foi uma cena corriqueira. Eles certamente herdaram do membro mais ilustre da família o carinho e o respeito aos admiradores. Receberam a todos de braços abertos, fossem os fãs humildes admiradores ou aficionados pela vida e obra de Teixeirinha.
Montado no Ginásio de Esportes do SEST/SENAT, em Pelotas, o evento trazia uma exposição de painéis contando a vida e obra de Teixeirinha. À noite, foram exibidos alguns dos principais filmes do cantor (“O gaúcho de Passo Fundo”, “Ela tornou-se Freira”, “Pobre João” e “Teixeirinha a 7 provas”). Na noite de sábado (26/05), ocorreu o esperado show com Teixeirinha Filho, Teixeirinha Neto e Os Fagundes. No último dia do evento, foi a vez do Estúdio Betha ao vivo de Pelotas.
Com tantas atrações, difícil seria escolher a melhor. Nas sessões de cinema, pude registrar a emoção do público e, por muitos momentos, me vi naqueles anos 1970, assistindo a uma premiére dos filmes ali exibidos. Risos, suspiros, admiração, gente cantando baixinho as canções daquele homenzinho apaixonado pela rica Veridiana em “Pobre João” ou abandonado por sua Mary Terezinha em “Ela tornou-se Freira”. Cenas inesquecíveis.
No show, momentos de pura emoção. Já falei no desafio cantado por Teixeirinha Filho e uma das cantoras do show. Mas não devo omitir as demais canções: “Tordilho Negro” entoada por centenas de vozes, “Coração de Luto” relembrada por todos e muito mais. Foram momentos alegres, onde Teixeirinha reviveu na figura de músicos, cantores e da própria platéia (diria ele mesmo: “meus fãs e minhas queridas fãs”).
O domingo, último dia do evento, reservaria uma emoção especial. Depois de ouvirmos tantas histórias emocionantes, surgiu uma que encantou a todos. Ela foi contada no Estúdio Betha e levou Betha Teixeira às lágrimas. Tratava-se de uma senhora no Amazonas que, mesmo sem discos ou fitas, cantara “Coração de Luto” por completo para um visitante gaúcho. O visitante – quem contou-nos a história – ficou imensamente emocionado e prometeu presentear aquela senhora com uma fita contendo músicas de Teixeirinha. Anos depois, com muitas dificuldades, a promessa foi cumprida. Era a voz de Teixeirinha chegando mais uma vez aos mais longínquos confins do Brasil.
O Estúdio Betha daquele domingo certamente não será esquecido por quem o viveu. Eu mesmo não esquecerei, até porque foi nele que realizei timidamente minha primeira participação num programa de rádio. Da mesma forma que eu, outros amigos participaram, destacando-se o professor Claudiomar de Oliveira (certamente o maior colecionador dentre todos os que compareceram ao evento) e o jovem Cristiano Aresi. Não poderia ainda deixar de destacar o senhor Olavo, exímio dançador de valsas que esteve presente em quatro das seis cidades por onde o Memória Nacional percorreu.
Emoção não faltou. Foi o momento de maior reverência à figura de Teixeirinha que eu já pude assistir. As histórias, atentamente acompanhadas pela amiga Nicole Reis (cuja pesquisa promete estar recheada de novidades a partir de agora), vinham naturalmente. Cada um tinha a sua, muitas vezes ilustrada por fotografias, músicas e até a gravação de um show realizado por Teixeirinha em Pelotas no ano de 1982. Quem ainda não admirava Teixeirinha passou a vê-lo com outros olhos. Quem já o admirava, comprovou o quanto ele segue imortal. Eu mesmo não teria tempo e nem espaço para descrever quantas emoções vivenciei naquelas 72 horas em que estive completamente inserido na atmosfera dos fãs do “Gaúcho Coração do Rio Grande”!

Uma resposta para TEIXEIIRINHA, MEMÓRIA NACIONAL!

  1. nereisc disse:

    Chico cada vez que entro no teu blog saio emocionado e ao mesmo tempo feliz em saber que nós, fãs de
    teixeirinha podemos contar com tua grande colaboração. Um grande abraço!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: