EIS AÍ O TEIXEIRINHA – PARTE 2

Na semana passada, em comemoração aos 40 anos da matéria “Eis aí o Teixeirinha”, publicada na edição de julho da revista O Cruzeiro, publicamos – na íntegra – a primeira parte da reportagem (quem não leu pode ler na segunda postagem anterior a esta). Hoje, conforme o prometido, estamos trazendo a segunda parte da entrevista. A fotografia que ilustra o texto é uma das duas imagens divulgadas pela revista. Sendo assim, vamos viajar no tempo outra vez e voltar para o ano de 1967:

Mãe, filho e histórias

Vivida na vida real, cantada em disco, “Coração de Luto” agora vai ser cinema. O filme (oitenta milhões) já está sendo dublado e é o próprio Teixeirinha que faz o papel principal. No filme, ele canta a canção-título ao lado do túmulo da mãe, que tem uma história: enterrada muito humildemente, Teixeirinha só fez plantar uma rosa amarela sobre a sepultura da mãe e saiu pelo mundo. Vinte anos depois, já feito na vida, voltou ele ao cemitério para mandar construir um belo túmulo para Dona Ledorina, e lá estava a mesma rosa, a mesma cor amarela.
– Providência divina, diz o Teixeirinha, para que eu pudesse assim encontrar a sepultura de minha mãezinha.
– Os espíritas dizem que a alma de minha mãe ilumina minha vida. Outro dia recebi uma carta de uma velha senhora, contando que sofria de uma doença incurável. Contava ainda que havia feito uma promessa para a alma de minha mãezinha e que havia ficado boa. Também minha mãe, enquanto viva, nunca fez mal a ninguém. Isto sim, sofreu e sofreu muito.

O homem que sabe viver

Teixeirinha hoje, não está rico. Está riquíssimo. Em Porto Alegre, mora numa casa bacanérrima, toda rodeada de jardins. Tem ainda na capital gaúcha dois apartamentos de luxo, duas salas na Rua da Praia (onde funciona seu escritório), uma chácara perto da cidade, 8 terrenos e 2 carros: um Aero-Willys e uma Rural.
Seu programa na Rádio Gaúcha – “Teixeirinha canta para o Brasil” – é líder de audiência no horário das 10 às 11 horas dos domingos. Em Portugal e Espanha, suas músicas são tocadas nas boates como representantes típicas da música popular brasileira. Ainda em Portugal, recebeu ano passado o “Elefante de Ouro”, máxima distinção portuguesa para os campeões do disco. Agora, recebeu convite para vinte apresentações nos Estados Unidos e Canadá, começando por Nova Iorque.
Ridicularizado por uns, adorado por uma maioria, a verdade é que Teixeirinha continua o maior, o dono absoluto da vendagem de discos no Brasil. Para o homem dos pampas, para o homem do planalto, assim como para o homem das caatingas, Teixeirinha é aquele amigo que sabe contar histórias vividas, histórias vividas, de se entender. Como eles, simples até não poder mais, de uma pureza primitiva. Eles gostam, e continuam pedindo para escutar o locutor dizer: – Agora vamos ouvir, que alguém oferece a alguém como prova de muito amor e consideração… “Coração de Luto”, com Teixeirinha! Um toque de viola e…

O maior golpe do mundo
Que eu tive na minha vida
Foi quando com nove anos
Perdi minha mãe querida
Morreu queimada no fogo
Morte triste, dolorida
Que fez a minha mãezinha
Dar o adeus da despedida
Vinha vindo da escola
Quando de longe avistei
O rancho que nós ‘morava’
Cheio de gente encontrei
Antes que alguém me dissesse
Eu logo imaginei
Que o causo era de morte
Da mãezinha que eu amei
Seguiu num carro de boi
Aquele preto caixão
Ao lado eu ia chorando
A triste separação
Ao chegar no campo santo
Foi maior a exclamação
Taparam com terra fria
Minha mãe do coração
Dali eu saí chorando
Por mão de estranho levado
Mas não levou nem dois meses
No mundo fui atirado
Com a morte da minha mãe
Fiquei desorientado
Com nove anos apenas
Por este mundo jogado
Passei fome, passei frio
Por este mundo perdido
Quando mamãe era viva
Me disse: ‘Filho querido
Pra não roubar, não matar
Não ferir sem ser ferido’
Descansa em paz minha mãe
Eu cumprirei seu pedido
O que me resta na mente
Minha mãezinha é teu vulto
Recebas uma oração
Deste filho que é teu fruto
Que dentro do peito traz
O seu sentimento oculto
Desde nove anos tenho
O meu coração de luto

TEXTO E ADAPTAÇÃO: Chico Cougo
AGRADECIMENTO: Nicole Reis (por disponibilizar a reportagem)

Uma resposta para EIS AÍ O TEIXEIRINHA – PARTE 2

  1. Fernanda Athayde disse:

    Bela matéria Chico!!!
    Sou uma admiradora nata de Teixeirinha e Mary, vi que há tempos você postou uma matéria sobre os “Desafios” que os dois tanto fizeram sucesso, gostaria de lhe sugerir que colocasse a relação do nome de todos os desafios. Ficarei muito grata. Beijos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: