DISCOMENTANDO: "Teixeirinha Show"

[Clique na imagem para ampliar]
Em meados de 1963, Teixeirinha já tinha feito de tudo um pouco na Chantecler. Contratado exclusivo da gravadora desde 1959, ele já gravara seis álbuns. No último, o consagrado “Rei do Disco” cantava – pela primeira vez – músicas de outros compositores. “Teixeirinha interpreta músicas de seus amigos” (o sexto LP) fazia parte de uma bem sucedida estratégia que tinha por objetivo diversificar a carreira do “Gaúcho Coração do Rio Grande”. A Chantecler, contudo, ainda queria mais.

Naquele mesmo 1963, um outro projeto pipocava na mente dos produtores responsáveis pelo selo “Sertanejo” (divisão pela qual eram lançados os discos de Teixeirinha na Chantecler). Tratava-se de um inédito LP show.

Mas, nos longínquos anos 60, a tecnologia ainda não era tão avançada. Se no século XXI, discos “acústicos” ou mesmo “ao vivo” são produzidos com facilidade e rapidez, o mesmo não se pode dizer daqueles tempos. A nova empreitada envolvendo Chantecler e Teixeirinha, portanto, deveria ser muito bem pensada. A principal missão era aliar baixo custo e alta qualidade a um produto fora dos padrões adotados até então.

É aí que começa a polêmica em torno do LP “Teixeirinha Show”, lançado em 63. Diretamente: ele é ou não uma gravação “ao vivo”? Sinto decepcionar àqueles que pensavam que sim, mas a resposta é negativa. “Teixeirinha Show” é fruto de uma grande e competente edição, aliada a um script muito bem planejado. Isso mesmo! Para evitar os altos gastos – e uma possível qualidade sofrível do produto – a gravadora do galinho forjou um LP no qual Teixeirinha, Mary Terezinha, o Regional Chantecler, um locutor desconhecido e mais de 3.600 pessoas (!) participam de uma tremenda apresentação que seria lançada nacionalmente no mercado fonográfico. As provas de que aquele não é um show de verdade? Daqui a pouco vocês verão!

O disco em si traz as mesmas e tradicionais doze faixas de sempre. A primeira, intitulada “Apresentação”, começa com o locutor (cuja identidade é nebulosa) anunciando o show: “Alô, senhoras e senhores! Muito boa noite! Neste momento tenho o grande prazer de apresentar para todos vocês o único e maior repentista brasileiro no disco: compositor e cantor de sua própria música, Teixeirinha, o gaúcho coração do Rio Grande; e sua acordeonista, Mary Terezinha!”. Um acorde de viola e sanfona – entremeado por aplausos – e começa a apresentação. De início, um “improviso” do “Rei do Disco”, onde ele saúda a platéia. Logo no segundo verso, é informada a dimensão do público ali presente, fato utilizado para dar um realismo maior à gravação:

Quase quatro mil pessoas
Que me assiste nesta hora
Tem a segunda sessão
Que está esperando lá fora

Cheguei no palco cantando
Fez ‘tirim’ a minha espora
E os meus versos ‘sai’ da mente
Pro senhor e pra senhora
Para as moças e os rapazes
Pra crianças canto agora

Bem, até aí o disco parece mesmo ter sido feito a partir de um show. No fim do improviso o locutor volta a mencionar o público, dizendo que “Teixeirinha canta para 3.600 pessoas, e ainda tem a segunda sessão esperando lá fora!”. Feitas as devidas apresentações, o “Gaúcho Coração do Rio Grande” agradece as palavras (desta vez falando, e não cantando) e chama a “senhorita Mary Terezinha”, tratada como “minha acordeonista”, que “me acompanha nas gravações, nos espetáculos por todo o Brasil e também no estrangeiro”.

Depois de 5 minutos e 34 segundos tomados por falas, repentes e aplausos, passamos à segunda faixa do álbum. Aqui, permanecem as palmas, mas somem as falas, pois é hora de cantar. O chamado “primeiro número” é a rancheira “Linda Loirinha” (que, anos depois, seria regravada com outro ritmo). Trata-se de uma bela canção, leve e animada, na qual todos os quatro versos de uma mesma estrofe rimam. Basicamente, é a história de um rapaz que, muito apaixonado, sai de sua terra natal rumo a Lages (Santa Catarina), aonde irá encontrar a “linda loirinha” (moça repleta de qualidades). Apesar de curta (possui apenas 1 minuto e 55 segundos), particularmente, considero esta a melhor música deste disco, pois nela transparecem empolgação e alegria ao mesmo tempo.

Passamos à terceira música de “Teixeirinha Show” e… surpresa! Uma faixa de quase dez minutos, onde são intercalados versos cantados e falas. Aliás, falas não; locução esportiva! Para que entendam, deixo que Teixeirinha explique melhor o “Futebol dos Bichos”. Ele diz: “Agora vou cantar e irradiar uma partida de futebol. É o seguinte: quando eu estive no sertão… que Deus me livre… eu assisti uma partida de futebol entre os bichos, e o locutor… o locutor era o papagaio”. E começa uma das mais esquisitas (no bom sentido!) músicas gravadas pelo “Rei do Disco”. Primeiro alguns versos apresentando os dois times (o esquadrão do Conde Tigre e o quadro do Rei Leão), ambos compostos por animais da floresta. Depois, feitas as devidas premissas musicais, Teixeirinha assume a narração do evento (ocorrido no “Estádio das Pitangueiras” e arbitrado pelo elefante), sendo auxiliado pela repórter de campo, Mary Terezinha.

O jogo é longo e a locução de Teixeirinha é digna do “rádio-metralhadora” (aquelas locuções radiofônicas onde os profissionais tem o incrível dom de emitir 3 ou 4 palavras num único segundo). E o resultado do jogo? Dois a zero para a equipe do Conde Tigre (gols de tatu e veado), com direito a bola na trave, jogador contundido (o goleiro sapo) e, no final, uma briga monumental entre jogadores, arbitragem e até as esposas dos atletas! Falando sério e sucintamente: haveria – em toda a carreira de Teixeirinha – uma faixa mais adequada às crianças do que esta?

Depois de “Futebol dos Bichos”, Teixeirinha conta uma piada, é aplaudido e anuncia a próxima atração: o tango “Falsa Mulher”. Compondo a quarta faixa deste Lado A, vemos uma música mais tradicional e adulta, tratando dos desamores e da falsidade de alguma mariposa. Apesar do arranjo pouco elaborado (são audíveis apenas um ou dois violões e a gaita), este é um ótimo tango.

Fechando esta primeira face do “Teixeirinha Show” (este disco, excepcionalmente, traz cinco faixas de um lado e sete do outro), surge a mais famosa e esperada “música” do disco. O título é simples, mas adequado: “Repente”. Nele, pela primeira vez em sua carreira, Teixeirinha transporta para um LP aquilo que era uma de suas marcas, isto é, o dom de repentista.

A fórmula do “Repente” é conhecida: alguém na platéia diz uma palavra e o repentista tem que bolar suas rimas a partir daquela sugestão. Mas esperem! Há alguns parágrafos atrás, prometi que mostraria evidências de que este não é um disco “ao vivo”. Chegou a hora de conhecermos algumas destas provas.

Teixeirinha explica o que transcorrerá em “Repente” e pede aos membros da platéia quatro palavras. Na primeira, uma “senhorita” grita o termo “amor”. O som – supostamente vindo dos espectadores – é mais baixo, mas a voz é muito, mas muito parecida com a de Mary Terezinha. Suspeito, não? Estranha também é a maneira como Teixeirinha dirige-se à platéia, com palavras bem medidas, respondidas instantaneamente e sem tumultos. É, talvez a maioria de nós jamais tenha visto um show de Teixeirinha, mas é de se imaginar que, ao pedir quatro palavras para elaborar o repente, houvesse, pelo menos, algum furor maior por parte do público.

De qualquer maneira, Teixeirinha colhe as quatro expressões necessárias e executa uma trova limpa e bastante interessante. Com arranjo baseado em milonga, ele rima com as palavras “amor”, “sol”, “aleijado” e “cachaça”. Para cada uma, quatro estrofes (ou quadras), intercaladas por mais aplausos. No final, depois de versos tristes e alegres, ele apela para o bom humor:

Ô, cachacinha malvada
Você tem muito freguês
Tem gente que, se pudesse
Te bebia de uma vez

Tomei um fogo esses dias
Lá no bar do português
Briguei, fui quebrando tudo
E vou contar pra vocês
Ele pra fazer justiça
Mandou chamar a polícia
Me surraram de lingüiça
E fui dormir no xadrez…

Em meio a risos e muitos aplausos, chega ao fim a faixa “Repente” encerrando, consigo, o Lado A do “Teixeirinha Show”.

Mas se as primeiras cinco músicas do LP show de Teixeirinha são bastante convincentes, não se pode dizer o mesmo do Lado B. Sem a menor explicação, somem os sons da platéia (aplausos, risos…)! Aliás, a primeira faixa (“Abertura”), além de ser a mais curta em toda a carreira de Teixeirinha (23 segundos), começa com um incompreensível toque de campanhia. Nela, o cantor agradece ao público e anuncia a próxima atração, a música “Duas Juras”.

“Duas Juras” já é uma música de arranjo mais requintado e lembra em tudo uma canção gravada em estúdio. Basicamente, discorre sobre mais um amor desencontrado. Executada em pouco mais de 3 minutos e meio, ela antecede a terceira faixa do disco, “Diálogo”, que – como o próprio nome nos indica – é uma conversa do cantor com Mary Terezinha.

Em “Diálogo”, Teixeirinha apresenta novamente Mary. Eles começam a conversar. Mary conta-lhe que sua casa ficou sem luz e, então, ela teve de chamar um eletricista que consertou o problema. Teixeirinha diz que era apenas um “fuzil” queimado (na verdade, ele referia-se a um fusível). Mary desconversa e lasca uma pergunta constrangedora: “Você já disse aí pro pessoal se é solteiro ou é casado?”. Teixeirinha reluta, mas responde afirmativamente, salientando que não tem filhos. É então que Mary praticamente encerra o diálogo com a seguinte frase: “Então vai ver que você está com o ‘fuzil’ queimado também!”.

Apesar da piada, os risos e comentários presentes no Lado A do LP não aparecem mais agora. Isto talvez se dê, porque ouvindo com muita atenção a primeira parte do disco, percebe-se que todas as manifestações supostamente oriundas do público são repetidas (os risos, assovios e sons de falas são sempre os mesmos), como se estivéssemos, por exemplo, ouvindo um destes seriados da TV americana. Na segunda face do disco – talvez por questões de qualidade, já que a mixagem do Lado A não ficou das melhores – estes sons são cortados. Em suma, o próprio disco acaba perdendo seu caráter de gravação “ao vivo”, pois desaparecem quaisquer emissões acústicas exteriores.

Se perde um pouco do dinamismo e a chancela de “ao vivo”, pelo menos “Teixeirinha Show” ganha maior familiaridade. E ele segue em frente trazendo – na quarta faixa deste lado – o instrumental “Saudades do nosso amor”, valsa interpretada por Mary Terezinha no acordeom. Depois, mas uma canção com cara de estúdio: “Tropeiro dos Pampas”, uma bonita toada falando da vida romântica levada pelos tropeiros que levam e trazem boiadas de todas as partes.

A sexta e penúltima faixa do “Teixeirinha Show” é “Pensando em ti”, uma música lindíssima (principalmente em sua poesia), interpretada com acompanhamento de pouquíssimos instrumentos (como praticamente todas as canções deste disco), mas com uma qualidade esplêndida. É mesmo o tipo de composição em que não há muito que falar…

Finalmente, chegamos a sétima faixa do Lado B. Ela encerra o disco de forma especial. Seu nome? “Diálogo e repente”, um título adequado e verdadeiro. Primeiro vem a fala, uma brincadeira bastante engraçada entre Teixeirinha e Mary Terezinha. Começa quando Mary pede licença para agradecer por um presente que recebeu – uma cabrita. Teixeira contesta, dizendo que ganhou um presente muito melhor – um bode. Para medir as qualidades dos dois animais, Mary propõe uma aposta: “Jogo a sanfona contra o seu violão que o que eu faço com a minha cabrita você não faz com o seu bode!”. Teixeirinha topa e entra numa grande fria!

Mary já começa apelando: “Eu dou banho na minha cabrita!”. Teixeirinha reluta, mas aceita. Depois, ela dificulta ainda mais: “Eu durmo com a minha cabrita!”. Mais uma vez o cantor não gosta, mas topa. Ela piora: “Eu pisco os ‘olho’ pra minha cabrita!”. Teixeira fica possesso: “Ah, mas parai! Que negócio é esse de piscar os olhos pra cabrita? Vou namorar o bode, é? Ah não, aí não vai dar não!”. Entretanto, sentindo a derrota que se aproxima, ele cede e ainda debocha que ela não terá nada mais de tão grave a dizer.

Teixeirinha não contava com a última de Mary: “Eu mamo na minha cabrita!”. Ele encerra a aposta na hora: “Pode levar, porque esta eu não faço de jeito nenhum!”.

Depois da brincadeira (que é realmente engraçada, mas – insisto – não traz os risos da platéia no final), Teixeirinha decide arrematar o LP cantando em homenagem a todos que escutam o disco. Ele explica: “Já que a Chantecler está gravando este show e vai lançar o mesmo num long-play à venda em todo o Brasil eu vou agora fazer uns improvisos para as pessoas que vão comprar o meu disco show. Cantarei uns versos e começando pelo senhor dono da casa (…) e depois para a senhora dona da casa e também para os filhos… Até para a empregada. Mary Terezinha, puxa o fole!”.

Começa então a parte cantada de “Diálogo e repente”, um extraordinário improviso (que, a julgar pelo caráter fictício do “ao vivo”, não é tão improvisado assim) no qual o cantor saúda pai, mãe, filhos e até a empregada, ou seja, todos os integrantes da casa em que o disco será tocado. Dois detalhes são bastante interessantes nesta gravação: (1) Teixeirinha agradece ao dono da casa por ter-lhe comprado o disco; e (2) pela primeira (e talvez única) vez num disco ele refere-se à dona Zoraida, sua esposa legítima, num verso:

Eu já disse à minha esposa
Que é a dona Zoraida
Pra escolher secretária
Ela é uma parada

Eu quero empregada nova
Ela fica enciumada
Diz que ela é quem escolhe
A minha esposa é danada

Durante o ano ela bota
Oito ou nove ‘empregada’
Umas ‘velha’ rabugenta
Que não serve pra mais nada

Depois da última estrofe, retorna a voz do locutor dando por encerrado o show de Teixeirinha. Com um “boa noite”, encerra-se também este LP que traz Teixeirinha e Mary Terezinha na capa (ele vestido esportivamente e segurando óculos escuros e ela vestida à Jovem Guarda), pousando junto a um lindíssimo automóvel Aero Willys, em algum lugar de São Paulo (possivelmente próximo ao estádio do Pacaembu). Na foto, aparecem também três malas, duas delas utilizadas para transportar gaita e violão. Indiscutivelmente, uma das capas mais bem elaboradas da carreira fonográfica do cantor (com destaque para a sempre exuberante beleza de Mary).

“Teixeirinha Show” foi remasterizado em 2002. Ele é o volume 13 da coleção “Gauchíssimo”, lançamento da Galpão Crioulo Discos em associação com a Warner Music. Vale a pena conferir!

Uma resposta para DISCOMENTANDO: "Teixeirinha Show"

  1. Samuel disse:

    Ow Chico!

    Sarve Amigo!

    Ow…esse “discomentando” sobre O Teixeirinha Show serve para, além de mostrar o seu talento de Historiador e Fã de Teixeirinha, nos mostrar que Sherlock Homes ainda continua deixando cada vez mais Dicípulos…rsrss…

    UM GRANDE ABRAÇO AMIGO!!!!!!PARABÉNS!!!!!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: