DISCOMENTANDO: “Quem é você agora” (1984)

Clique para ampliar

Clique para ampliar

Em 1983, os jornais, as revistas, os programas de rádio e até os telejornais noticiaram a mais marcante separação de uma dupla musical em todos os anos 80. Abruptamente, Teixeirinha e Mary Terezinha desfaziam um dueto que já se prolongava por 22 anos, e que extrapolava os palcos. Ambos, além de cantores e artistas de cinema, viveram um conturbado relacionamento, do qual foram gerados dois filhos e algumas polêmicas.

Depois da separação, cada uma das partes seguiu um caminho. Mary foi para os Estados Unidos e regressou tempos depois para lançar seu primeiro LP solo “pós-Teixeirinha”, agora gravado pela poderosa Polygram. Teixeira seguiu seu sucesso. Enquanto os jornais jogavam mais e mais combustível numa separação que mexeu com os gaúchos e dividiu opiniões, o “Rei do Disco” pensava em suas próximas produções. Teixeirinha parara com cinema, reduzira significativamente o número de shows (principalmente depois do infarto que sofreu) e permanecia – de forma mais contida – no rádio. Só o que não arrefeceu foi a sua intensa produção musical.

Segundo consta, Vitor Mateus Teixeira já era um homem com sérios problemas de saúde quando gravou seu segundo LP depois da separação. O câncer, originado um pouco abaixo do lábio inferior, já dava os primeiros sinais de gravidade, mas nem isso foi capaz de deter o ímpeto musical de Teixeirinha. No início de 1984, ele gravou ao lado da mineira Nalva Aguiar. Foi um disco apenas com desafios e alguns cutucões em Mary. Mas a produção musical que marcou mesmo aquele ano foi o LP seguinte.

“Quem é você agora…” foi gravado pela Chantecler. Não há como esconder que o título do disco se reporta exatamente à gaiteira que dividiu o sucesso com Teixeirinha durante mais de duas décadas. Ressentido pela separação de uma dupla a qual o público não aceitava tal gesto, Teixeira dirigiu a canção-título do LP à Mary. Na guarânia, extramente bem elaborada no quesito instrumental, ele traz para a música um pouco do que estava estampado nos jornais do período.

Mas, apesar do que dizem alguns, “Quem é você agora…” não é um LP dedicado inteiramente ao tema da separação. Afora a primeira composição do lado A, as demais falam de temas diversos. “Filha reconhecida” narra uma história de amor e tragédia de um homem que fica viúvo e tem de cuidar de sua filhinha; “Não chora, amor” é uma mensagem de um homem que consola sua mulher, pois esta sente saudades da querência e parentes; “A morte não marca hora” é um xote autobiográfico onde Teixeirinha dita as “normas” a serem levadas em conta no dia de sua própria morte; “Eu te amo moreninha”, um samba campeiro de letra fácil, é uma mensagem corriqueira na produção musical de Teixeirinha – onde o cantor declara seu amor de forma ingênua – e; “Eu não devia, mas…” fala de uma mulher casada que gosta do cantor (neste caso, o cantor é o narrador da história).

O destaque desta primeira parte do LP certamente fica com “A morte não marca hora”, a canção em que Teixeirinha dá as diretrizes sobre o que deveria ocorrer no dia de sua morte. Duas informações são interessantes: primeiro, a canção foi seguida praticamente à risca no dia de seu velória; segundo, pouco de um ano após ter lançado “A morte…”, o “Rei do Disco” faleceria vítima do câncer. É possível que ele já estivesse se preparando para a partida quando compôs o xote.

O lado B de “Quem é você agora…” traz um samba – “Amor desfeito” – que muitos atribuem ao momento da separação. “Hoje entre nós / Já não há mais nada / Não trilhamos juntos / Pela mesma estrada…”, diz um trecho do refrão. Entretanto, não há qualquer informação de que a canção tenha sido composta durante o período em que a dupla acabou. “Vá embora”, “Cheio de mágoa”, “Noite de chuva” e “Falaram-me assim”, todas canções do gênero romântico falam das saudades da mulher amada, das tristezas do abandono e de traição. Mais uma vez, entretanto, não há indícios que nos levem a comprovação de que as canções foram compostas em virtude do final da relação com Mary Terezinha.

“Violão confidencial”, a toada que encerra “Quem é você agora…” é uma homenagem ao violão e, ao mesmo tempo, um desabafo. Trata-se de uma conversa entre o compositor e o sonoro pinho de tantas andanças. Curiosamente é uma das últimas menções ao instrumento durante a carreira fonográfica de Teixeirinha.

“Quem é você agora…” é um LP polêmico por seu conteúdo e ótimo por sua qualidade musical. A exploração de instrumentos como violino, saxofone, percussão e muito contrabaixo, fazem deste disco um marco na carreira de Teixeirinha. Em virtude do marketing empreendido pela imprensa, o LP foi agraciado com o Disco de Ouro (o último de Teixeirinha em vida) por alcançar recorde de vendagens. Até hoje, algumas canções do disco são pedidas nas emissoras de rádio e cantadas por fãs. “Quem é você agora…” foi lançado em CD no ano de 1995, pela Warner. Tempos depois, 10 de suas 12 faixas chegaram ao mercado no composto “Dose Dupla”, também pela Warner. Desde meados dos anos 1990, contudo, o disco está fora de catálogo e não pode ser encontrado à venda.

Uma resposta para DISCOMENTANDO: “Quem é você agora” (1984)

  1. VOCÉ NÃO MORROU esta nos nossos coração

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: